Os três pilares para explorar os benefícios do analytics na área de Finanças

O Financial analytics surgiu a partir da necessidade de áreas de finanças nas empresas de visualizar e analisar dados para responder questões dos negócios, bem como para simular e prever possíveis cenários futuros, com o objetivo de auxiliar na tomada de decisão. Nesse contexto, buscou-se, através de uma pesquisa de maturidade, avaliar quais são as melhores práticas relacionadas a Analytics que organizações têm realizado em suas áreas de finanças.

Quando se analisa as iniciativas de analytics em uma empresa, faz-se necessário avaliar essas áreas em 3 principais aspectos: Cultura e Organização, Informações e Ferramentas, Habilidades e Competências.

Cultura e Organização –  A importância do incentivo a grupos focados em analytics

Para garantir que a organização possua uma área de finanças com alta maturidade em relação a iniciativas de analytics, é fundamental que haja a valorização de uma cultura analítica, com a área estruturada de uma maneira a fomentar o desenvolvimento e implantação de novas soluções no tema.

Ao analisar a cultura analítica das empresas participantes do questionário, observa-se que as principais formas dos líderes incentivarem esse tema nas organizações são a criação de posições dedicadas, de fóruns específicos para a discussão de novas ideias e oportunidades e o monitoramento de indicadores associados a analytics, como a quantidade de soluções implantadas e qual o retorno e benefício que essas iniciativas resultaram para a organização.

 

Em relação à estruturação de áreas de financial analytics nas organizações, observa-se que 65% delas já atuam no tema, mesmo que com grupos informais. Em 21% das empresas o assunto já é tratado em uma estrutura formal e outras 21% estão evoluindo para esse modelo, evidenciando a importância dada para esta pauta.

 

Com a evolução da cultura analítica nas empresas, é fundamental que as organizações criem mecanismos de incentivo às discussões no tema, e, consequentemente, haverá um direcionamento eficiente, com um ambiente propício para o desenvolvimento e implantação de soluções em analytics para finanças. Além disso, outra tendência observada nas empresas é a construção de centros e núcleos de excelência em analytics, o que possibilita o desenvolvimento horizontal de iniciativas, padronizando e agilizando a implantação.

Informações e Ferramentas – A baixa democratização de acesso a ferramentas e dados

Quando as empresas são avaliadas em relação à disponibilidade de ferramentas de analytics, observa-se que em cerca de 89% das organizações os colaboradores não possuem fácil acesso a essas ferramentas.

Outro ponto que sinaliza que as empresas não utilizam todo o potencial das soluções de analytics é a dificuldade de acesso e manipulação aos dados. De acordo com os participantes da pesquisa, 40% deles possuem significativa dificuldade em acessar e integrar os dados da organização, enquanto 40% das empresas perceberam a importância em possuir responsividade no acesso a dados e estão desenvolvendo iniciativas para tornar a gestão de dados e informações mais efetiva.

 


Para que iniciativas em analytics sejam implantadas com sucesso e recorrência nas organizações, a democratização de informações e ferramentas torna-se fundamental, uma vez que, com a evolução da tecnologia e aumento da quantidade de dados, ferramentas e dados precisam estar facilmente acessíveis para que os colaboradores possam experimentar, criar novas soluções e implantar de maneira ágil.

Habilidades e Competências – O foco na visualização de dados e na estruturação de relatórios


Cerca de 93% das empresas participantes da pesquisa, avaliaram a habilidade de visualização de dados e estruturação de relatórios como a competência mais importante de financial analytics. Esse resultado confirma um comportamento esperado nas empresas brasileiras, uma vez que o principal papel dessas estruturas atualmente é a realização de análises e estudos descritivos, ou seja, que explicam algum evento já ocorrido. Outro ponto que corrobora essa conclusão é que mais de 70% das empresas responderam que a principal aplicação em financial analytics são dashboards de performance financeira.

Com o aumento da disponibilidade e redução de custos das ferramentas de armazenamento e processamento de dados, habilidades relacionadas ao desenvolvimento de soluções que utilizam data mining e machine learning tornam-se cada vez mais frequentes, possibilitando análises robustas, utilizando os milhões de dados transacionais que uma empresa pode gerar, como modelos estatísticos para análise de crédito e detecção de fraude.

O sucesso para o desenvolvimento de uma área de finanças com a cultura analítica baseia-se em três principais pilares. O primeiro reflete como a organização e a área de finanças valoriza o analytics. A partir desse incentivo, o segundo pilar é garantir que informações e ferramentas sejam facilmente acessíveis aos colaboradores, formando uma base sólida que suportará o  terceiro pilar, que é o desenvolvimento e implantação de iniciativas através de pessoas com as habilidades e competências necessárias.

 


Sobre o autor

Felipe Pena é consultor da Visagio, especialista em projetos com foco em gestão orçamentária, engenharia de processos e analytics nos setores de adquirência e no setor bancário.